Pequenos robôs vivos feitos de células de sapo podem nadar dentro de seu corpo. Os xenobots não são um animal e não são um robô tradicional, mas são impressionantes e aterrorizantes.

Conheça os xenobots

Pequenos robôs vivos foram criados usando células extraídas de embriões de sapos. Cada um dos chamados xenobots tem menos de um milímetro de diâmetro, mas eles conseguem se mover através da água usando dois membros atarracados, enquanto outro possui um tipo de bolsa que pode ser usada para transportar uma pequena carga.

Qual o objetivo dos robôs vivos

A pesquisa inicial, publicada em Proceedings da Academia Nacional de Ciências, poderia ajudar no desenvolvimento de robôs macios úteis que podem se curar quando danificados. Por serem feitos de tecido vivo, eles também se deterioram quando param de funcionar. Os pesquisadores, da Tufts University, da Universidade de Vermont e do Wyss Institute de Harvard, esperam que esses robôs vivos possam um dia ser usados ​​para limpar microplásticos, digerir materiais tóxicos ou até mesmo fornecer drogas (remédios) dentro de nossos corpos (embora isso ainda esteja em um futuro).

Como os robôs vivos são feitos?

Os robôs são construídos a partir de células cardíacas, que se contraem e relaxam espontaneamente como pequenos pistões e células da pele que fornecem uma estrutura mais rígida. Depois de solta, as células de um robô têm energia suficiente para mantê-lo se contorcendo e se contorcendo por até 10 dias.

Design inteligente

os xenobots foram criados usando um algoritmo evolutivo, que imita a seleção natural, gerando possíveis soluções e, em seguida, escolhendo e mutando repetidamente as mais promissoras. O algoritmo conjurou milhares de configurações aleatórias entre 500 e 1.000 células da pele e do coração e cada uma foi testada em um ambiente virtual. Muitos eram pedaços inúteis. Mas aqueles que mostraram potencial – como poder se mover – foram aprimorados e usados ​​para semear a próxima geração. Depois de executar esse processo 100 vezes, os pesquisadores construíram os melhores projetos a partir de células vivas.

Preocupações éticas

Essa primeira colheita de xenobots é muito básica. Mas versões futuras poderiam ser feitas com sistemas nervosos e células sensoriais – até habilidades cognitivas rudimentares – que lhes permitiriam reagir ao seu ambiente. Não está claro se devemos tratar esses robôs como máquinas ou seres vivos.

Links úteis

https://www.cnet.com/news/tiny-living-robots-made-from-frog-cells-could-soon-swim-inside-your-body/

https://www.technologyreview.com/f/615041/these-xenobots-are-living-machines-designed-by-an-evolutionary-algorithm/

https://www.theguardian.com/science/2020/jan/13/scientists-use-stem-cells-from-frogs-to-build-first-living-robots