Para quem já assistiu muitos filmes de ficção científica, a pergunta que sempre fica no ar é o ponto de virada em que as inteligências artificiais tomam consciência, assim como os humanos, e tentam dominar o mundo. Mas será que isso é mesmo possível? Quais são os limites da inteligência artificial? E em termos éticos: até onde podemos utilizar a AI para melhorar a performance dos negócios?

https://www.youtube.com/watch?v=J52Ja2hsHXY

Atualmente somos bombardeados com notícias de novos dispositivos que utilizam inteligência artificial, como um bot que responde às suas mensagens no Facebook ou uma nova função de um assistente de voz, porém, existem diferentes tipo de IA.

Existem IAs fortes e fracas, com altos poderes de decisão e resolução de problemas, porém a separação vai além disso. Existem IAs que utilizam aprendizagem de máquina e outras que utilizam redes neurais. A aprendizagem de máquina é um tipo de inteligência artificial que pode analisar dados e aprender com eles.

Já com as redes neurais, as IAs são mais inspiradas no cérebro humano e são capazes de transmitir informações, assim como os neurônios enviam sinapses. Estes algoritmos são treinados para realizar tarefas específicas, modificando a importância atribuída aos dados de entrada à medida que passam entre as camadas, gerando a saída esperada.

Temos que ter medo do futuro?

Deepfakes

Os Deepfakes vão causar estragos na sociedade. Nós não estamos preparados.

A tecnologia Deepfake permite que qualquer pessoa com um computador e uma conexão à Internet crie fotos e vídeos com aparência realista de pessoas dizendo e fazendo coisas que na verdade não disseram ou fizeram.

Uma combinação das frases “aprendizado profundo” e “falso”, o deepfakes surgiu pela primeira vez na Internet no final de 2017, alimentado por um novo método inovador de aprendizado profundo conhecido como redes adversárias generativas (GANs).

A quantidade de conteúdo deepfake online está crescendo rapidamente. No início de 2019, havia 7.964 vídeos deepfake online, de acordo com um relatório da startup Deeptrace; apenas nove meses depois, esse número saltou para 14.678. Sem dúvida, continuou a crescer desde então.

Embora impressionante, a tecnologia deepfake de hoje ainda não está em paridade com imagens de vídeo autênticas – olhando de perto, normalmente é possível dizer que um vídeo é um deepfake. Mas a tecnologia está melhorando em um ritmo de tirar o fôlego. Os especialistas prevêem que os deepfakes serão indistinguíveis das imagens reais em pouco tempo.

Ficção ou realidade

Nos filmes e na literatura, a inteligência artificial aparece como vilã ou aliada da humanidade. Ela pode criar um paraíso na Terra, mas tudo pode sair do controle e se tornar o caos completo. Será que isso reflete a realidade?

Inteligência artificial na Saúde

Ficção Otimista – IA serviria para viver mais, com técnicas como transformação (tornar o corpo imune a doenças) e transcendência (transferir a mente para uma máquina);

Ficção Pessimista – No processo radical de metamorfose para se fundir com uma máquina, humanos perdem valores e emoções;

Realidade – Equipamentos com base em IA servem para detectar padrões em exames e recomendar diagnósticos, bem como ajudam a monitorar pacientes. No dia-a-dia, servem como assistentes (em relógios e celulares) para fazer exercícios físicos;

Inteligência artificial no Trabalho

Ficção Otimista – Robôs fazem todo o trabalho, permitindo que humanos tenham vidas de lazer;

Ficção Pessimista – Trabalho traz o senso de ter um papel na sociedade, humanos sentem que perderam o propósito;

Realidade – Algumas formas de trabalho estão sendo substituídas por IA —como sempre aconteceu com a chegada de tecnologias. Novas profissões, no entanto, também são criadas;

Inteligência artificial nos Relacionamentos

Ficção Otimista – Pessoas poderem ter a companhia constante e relação de amizade, e até de amor, com robôs;

Ficção Pessimista – Se a relação com máquinas for melhor do que com humanos, as pessoas podem se tornar obsoletas e perder seu propósito também nos relacionamentos;

Realidade – Assistentes virtuais e chatbots até conseguem conversar com seres humanos, mas a relação está longe de ser semelhante à de falar com uma pessoa;

Inteligência artificial na Segurança

Ficção Otimista – IA poderia ajudar a manter a segurança de comunidades;

Ficção Pessimista – Os robôs poderiam se voltar contra os humanos e atacar;

Realidade – Muita pesquisa em IA é financiada por militares e há discussões sobre os limites de usar a tecnologia para armamentos;

Olho, robô

A inteligência artificial melhora drasticamente a precisão do exame oftalmológico clássico, por exemplo.

Você pode fazer um teste online de visão que utiliza inteligência artificial, no https://myeyes.ai/.

Os usuários primeiro calibram o tamanho da tela ajustando uma caixa em uma página da Web ao tamanho de um cartão de crédito. Depois de inserir a distância que estão da tela, o teste exibe um “E” em uma das quatro orientações. Com base na resposta, o algoritmo usa estatísticas para fazer uma previsão de uma pontuação de visão, semelhante à forma como as IAs criam uma lista de reprodução com base em seus artistas favoritos ou em quais anúncios exibir com base no que você clicou anteriormente. À medida que o teste prossegue, o algoritmo é capaz de fazer uma previsão mais precisa sobre a pontuação. O teste faz 20 perguntas por olho e leva alguns minutos para ser concluído.

Quando os pesquisadores executaram seu “Teste de acuidade de Stanford” (StAT) através de 1000 simulações em computador simulando pacientes reais, o diagnóstico reduziu o erro em 74% em comparação com o teste de Snellen (teste tradicional). As simulações funcionam começando com um índice de acuidade conhecido e fatores nos tipos de erros que um ser humano pode cometer. Em seguida, virtualmente “realiza” os diferentes testes oculares para comparar a precisão deles. A equipe usou isso em vez de pacientes reais, porque começa com a acuidade “verdadeira” – algo desconhecido em um ser humano.

Links úteis

https://temas.folha.uol.com.br/inteligencia-artificial/os-limites-da-ia/inteligencia-artificial-enfrenta-questoes-eticas-para-ter-evolucao-responsavel.shtml

https://canaltech.com.br/robotica/fatos-sobre-a-inteligencia-artificial-que-voce-precisa-saber/

https://www.forbes.com/sites/robtoews/2020/05/25/deepfakes-are-going-to-wreak-havoc-on-society-we-are-not-prepared/#3ccf9d637494

https://www.sciencemag.org/news/2020/06/eye-robot-artificial-intelligence-dramatically-improves-accuracy-classic-eye-exam?utm_campaign=news_weekly_2020-06-03&et_rid=398056556&et_cid=3350701