Será que ainda morreremos no futuro? alguns estudiosos dizem que poderemos viver além dos 500 anos ou ainda poderemos fazer o download da nossa consciência e armazenar na nuvem, eternizando nossas existências no mundo digital. Vamos verificar o que os estudiosos sobre a morte no futuro pensam sobre isso.

É fácil ridicularizar os erros do passado. Tinta com chumbo, cigarros, cocaína na Coca Cola – será que as pessoas não tinham noção? Pode soar engraçado, mas mesmo atualmente fazemos coisas cujas consequências desconhecemos direito, como fumar cigarros eletrônicos ou tomar medicamentos cujos efeitos colaterais a longo prazo ainda precisam ser descobertos.

Todas essas coisas podem acabar bem; e, de qualquer forma, estamos mais sintonizados do que nunca com as maneiras como podemos estar nos matando, independentemente de escolhermos fazer algo a respeito ou não. Mas os assassinos do futuro – as causas e as próprias doenças – podem não chegar da forma que esperamos.

Andrew Noymer

Professor Associado de Saúde da População e Prevenção de Doenças, Universidade da Califórnia-Irvine.

Basicamente o mesmo que agora: doenças cardíacas e câncer. Essas duas doenças são as duas principais causas de morte nos Estados Unidos há muito tempo, respondendo (juntas) por mais da metade de todas as mortes. Esses padrões mudam lentamente. Assim, daqui a vinte anos, espero que doenças cardíacas e câncer sejam, de longe, as duas principais causas de morte nos Estados Unidos.

As enfermidades podem mudar: o câncer (atualmente em segundo lugar) pode se tornar a principal causa de morte, com as doenças cardíacas caindo para segundo. As doenças cardíacas tiveram um declínio de mais de cinquenta anos em importância, por isso não me surpreenderia se finalmente perdesse seu lugar.

A população está ficando mais velha, com os boomers (pessoas que nasceram entre 1946 e 1964) se aproximando dos 75 anos. Assim, as causas de morte comuns entre os idosos se tornarão mais comuns, principalmente acidentes (quedas) e possivelmente influenza/pneumonia. E a doença de Alzheimer, que anteriormente estava fora do top 10, mas agora é a sexta principal causa de morte nos Estados Unidos.

Da mesma forma, as mortes por diabetes aumentaram em importância recentemente; atualmente é a sétima causa de morte. O aumento da obesidade reforçará a importância do diabetes como causa de morte.

Mas os demógrafos estão profundamente cientes do que chamamos, no jargão, de “riscos competitivos”. Simplificando, você só pode morrer de uma coisa. Portanto, as causas de morte acima mencionadas não podem triunfar. Na medida em que um se eleva, outro não. Isso, combinado com a grande vantagem que as doenças cardíacas e o câncer tem, significa que o futuro das principais causas de morte se parece muito com o presente: doenças cardíacas e câncer.

“Você só pode morrer de uma coisa”.

Elaine Hernandez

Professora Assistente de Sociologia da Universidade de Indiana Bloomington, cuja pesquisa se concentra nas forças estruturais que contribuem para as desigualdades sociais em saúde.

Para prever as principais causas de morte nos EUA, precisamos considerar o forças sociais e estruturais maiores que moldam a mortalidade. Durante o século 20, assistimos a um aumento significativo na expectativa de vida, impulsionada principalmente pelos avanços da saúde pública juntamente com os avanços da medicina. No início do século 20, as pessoas morriam com mais frequência de doenças infecciosas, mas, no início do século 21, as pessoas morriam com mais frequência de doenças crônicas. Hoje, as duas principais causas de morte são doenças cardíacas e câncer.

Olhando para o futuro, é provável que as doenças crônicas ainda estejam no topo da lista das principais causas de morte no futuro.

O câncer é complexo e difícil de tratar. E é improvável que os comportamentos no nível da população – e as forças sociais mais amplas que os moldam – mudem o suficiente para causar o declínio das doenças cardíacas como a principal causa de morte no futuro. Além do mais, podemos observar o aumento da obesidade entre os adultos mais jovens para prever os tipos de doenças (diabetes, doenças cardíacas) que os assolarão à medida que envelhecem.

Também estão surgindo novas tendências que afetarão a mortalidade nos próximos 20 anos.

Primeiro, entre aqueles que são, de alguma forma, social ou economicamente privilegiados, estamos observando uma mortalidade tardia. As pessoas estão vivendo mais e morrendo de doenças da velhice, como Alzheimer e demência. Com os nascidos após a Segunda Guerra Mundial (ou seja, baby boomers), continuaremos a ver isso como uma das principais causas de morte no futuro.

Segundo, a diferença entre ricos e pobres é maior do que 50 anos atrás. Essa desigualdade tem efeitos significativos na saúde da população, tornando o “sonho capitalista americano” de mobilidade ascendente ainda mais distante e contribuindo potencialmente para o aumento das taxas de mortalidade infantil. Um resultado é um aumento de “mortes em desespero” ou mortes devido a overdose de drogas ou álcool e suicídios.

Terceiro, os epidemiologistas há muito nos alertam sobre o ressurgimento de doenças infecciosas, das quais uma pandemia de gripe está no topo da lista de preocupações. Mas a resistência antibacteriana e antifúngica representará ameaças claras à saúde pública em um futuro próximo. Finalmente, estamos começando a observar os efeitos das mudanças climáticas na saúde da população. Mesmo pequenas mudanças de temperatura estão associadas a um aumento da violência, mortes cardiovasculares e provavelmente mudarão nossas experiências de doenças autoimunes desencadeadas pelas mudanças no ambiente (por exemplo, alergias). As principais causas de morte no futuro dependem em grande parte da maneira como os humanos respondem a essas causas de mortalidade estruturais maiores.

“Finalmente, estamos começando a observar os efeitos das mudanças climáticas na saúde da população. Mesmo pequenas mudanças de temperatura estão associadas a um aumento da violência, mortes cardiovasculares e provavelmente mudarão nossas experiências de doenças autoimunes desencadeadas pelas mudanças no ambiente (por exemplo, alergias). ”

David Bishai

Professor de População, Saúde da Família e Reprodutiva, Johns Hopkins, cujo principal interesse de pesquisa é a economia da prática da saúde pública.

A maneira como escritores e leitores sempre enquadram essa questão reflete o poder do setor da saúde. Tenho certeza de que as respostas que você recebeu à sua pergunta foram os nomes das doenças ou as condições.

A agenda de ação implícita seria gastar dinheiro com médicos especialistas que poderiam desenvolver produtos comercializáveis ​​para prevenir ou curar a doença mencionada. Demos nosso entendimento ao paradigma de que o que causa problemas de saúde são doenças e o que melhora problemas de saúde é a biomedicina, alimentada por pesquisas em laboratório. Mas, na realidade, observe qualquer uma dessas doenças em um mapa espacial e você verá rapidamente que o que causa problemas de saúde são as condições sociais e culturais de um local. As taxas mais altas de mortalidade por doenças cardíacas, câncer, derrame e obesidade se alinham consistentemente em lugares e grupos sociais. O que realmente causa problemas de saúde são lugares que reforçam estilos de vida e escolhas e mantêm as pessoas sob estresse constante. O que descobrimos nesta década é uma disposição esmagadora dos americanos de se dividir dentro de suas comunidades, de excluir grupos inteiros de pessoas.

O que surgirá mais e mais como uma causa de morte nos EUA no futuro será a “alteridade”. Indivíduos impedidos de pertencer a suas cidades, bairros e famílias, assim como aqueles que os expulsam, experimentarão uma cascata de fisiologia conhecida como alostase. A fisiologia flui através de níveis sanguíneos elevados prolongados de corticosteróides e adrenalina. Isso leva a maior suscetibilidade à aterosclerose e câncer. A solução é realmente cardiologistas e oncologistas?

Grupos com os quais isso acontecerá são milhões de idosos solitários que começaram a se divorciar durante a tendência alta durante os anos 80 e não conseguiram reformar suas famílias e agora estão chegando aos 70 anos. Se as comunidades LGBTQ falharem em virar parte do padrão, elas se tornarão alteridades. A comunidade LatinX tem sido tradicionalmente paradoxalmente saudável, mas há sinais de que isso está revertendo desde 2016.

Se você estiver procurando por respostas para doenças – a aposta precisará permanecer em doenças cardíacas, câncer e derrame por causa do grande volume de milhões de mortes por essas doenças. (O pessoal que lembra da gripe irá exagerar o espectro do ano de 1918 – mas eles esquecem o quão pobres e doentes todos estavam naquela época). Nossas epidemias atuais de suicídio, álcool e opióides são um número pequeno de mortes, mas merecem atenção porque a contagem de mortes aumentou, quando deveriam ter diminuído.

Por favor, considere abrir a discussão para as principais causas de morte como algo que não sejam doenças. As novas e principais causas de morte no futuro serão como nos tratamos e quem é incluído em nosso envelope coletivo de “nós”. Pensando bem em frente, quer a humanidade termine em fogo ou em gelo – a causa fundamental será nossa falha em lembrar da nossa humanidade.

“Nossas epidemias atuais de suicídio, álcool e opióides são um número pequeno de mortes, mas merecem atenção porque a contagem de mortes aumentou, quando deveriam ter diminuído.”

Krisztian Magori

Professor Assistente de Bioestatística, Eastern Washington University e chefe do Laboratório de Ecologia de Doenças.

Devo avisar que não sou um médico, mas ecologista de doenças, que estuda as interações entre hospedeiros, patógenos e seu ambiente. No entanto, tenho décadas de experiência estudando os padrões de doenças infecciosas em todo o mundo.

Para responder sua pergunta, um dos maiores problemas que teremos é a resistência antimicrobiana, pessoas já estão morrendo de infecções bacterianas que poderiam ter sido tratadas facilmente em outra época.

Isso vai piorar a menos que desenvolvamos novos compostos antimicrobianos. Outro risco contínuo que enfrentamos é a gripe pandêmica, que continuará sendo um problema até que desenvolvamos uma vacina universal contra a gripe que nos proteja de todas as cepas de influenza. Sempre existe o risco de novas doenças infecciosas emergirem e mudarem seu hospedeiro para nós, ou saírem de seus locais originais, com exemplos recentes como Ebola, vírus Zika, chicungunha, MERS e SARS. Não estamos preparados para o próximo deles.

As mudanças climáticas e mudanças na terra, como a urbanização, aumentam esses riscos, principalmente para doenças transmitidas por carrapatos, mosquitos e outros insetos. No entanto, as mudanças climáticas trarão muitas outras questões não relacionadas a doenças infecciosas, como inundações, incêndios florestais, segurança alimentar e simplesmente calor e clima extremos. Exaustão pelo calor, asma e outras doenças respiratórias podem se tornar muito mais comuns. Elas também podem contribuir para doenças crônicas existentes, como doenças cardiovasculares, por isso pode ser difícil separá-las. As doenças crônicas não infecciosas continuarão sendo a principal causa de mortalidade, mesmo que suas causas possam mudar.

“Um dos maiores problemas que teremos é a resistência antimicrobiana, onde já temos pessoas morrendo de infecções bacterianas que poderiam ter sido tratadas facilmente em outra época”.

Malwina Carrion

Professora de ciências da saúde da Universidade de Boston, cuja pesquisa se concentra na vigilância inovadora de doenças infecciosas, programas de triagem e tratamento, controle de doenças e vetores e doenças tropicais negligenciadas.

Não existe uma única doença da qual morreremos todos no futuro e o que corremos maior risco dependerá muito da geografia. Embora tenhamos feito grandes progressos no controle de alguns dos nossos maiores assassinos do passado, como a poliomielite e a peste, existem muitas doenças infecciosas emergentes e em alerta atualmente.

Água, saneamento e higiene também melhoraram em todo o mundo, o que nos ajudou a reduzir a morte no futuro por coisas como cólera e outras doenças causadoras de diarréia, mas muitas populações ainda sofrem.

As doenças tropicais negligenciadas são um grupo de doenças que afetam mais de 1 bilhão de pessoas – muitas delas infectadas por mais de uma. Embora várias doenças tropicais não sejam diretamente fatais, elas causam um terrível sofrimento e incapacidade ao longo da vida, e os efeitos secundários podem ser fatais. Como são negligenciadas, a maioria das pessoas nunca ouviu falar delas e pouco está sendo feito atualmente para combatê-las em escala global fora de grupos e programas dedicados específicos.

As mudanças climáticas, sem dúvida, também mudaram nossos fatores de risco, e continuarão a fazê-lo. Mosquitos, carrapatos e outros vetores capazes de transmitir doenças letais ou debilitantes estão se espalhando para novas áreas e afetando populações que têm imunidade zero e nunca tiveram que pensar em doenças como malária, febre amarela, chicungunha e inúmeras outras. A mudança climática também está resultando no aumento de desastres naturais que levam a eventos que facilitam a propagação de doenças, como inundações e deslocamento de populações. Muitos especialistas concordam que estamos na espera de outra pandemia, como a gripe espanhola de 1918, e é simplesmente uma questão de tempo. Estamos vendo alguns vírus sofrerem mutações com o potencial de se tornarem mais mortais. Atualmente, cerca de 70% das doenças emergentes vêm de animais e é provável que essa seja a fonte de nossa próxima pandemia.

Finalmente, não podemos ignorar o efeito das doenças crônicas e não transmissíveis em muitas populações diferentes, particularmente em países de alta renda, mas cada vez mais em outras populações. Atualmente, doenças cardíacas, derrames e cânceres são alguns dos principais assassinos em todo o mundo e existem há muitos anos. As causas são variadas e às vezes dependem da localização, mas dietas ruins e falta de exercício certamente contribuem para isso e continuarão a ocorrer até que haja mudanças radicais na maneira como as pessoas comem e vivem. Infelizmente, à medida que a riqueza cresce em muitas partes do mundo, esses hábitos pioram em vez de melhorar.

“Estamos vendo alguns vírus sofrerem mutações com o potencial de se tornarem mais mortais. Atualmente, cerca de 70% das doenças emergentes vêm de animais e é provável que essa seja a fonte de nossa próxima pandemia. ”

Links Úteis

https://u.demog.berkeley.edu/~andrew/

https://sociology.indiana.edu/about/faculty/hernandez-elaine.html

https://www.jhsph.edu/faculty/directory/profile/59/david-m-bishai

https://inside.ewu.edu/diseaseecology/krisztian-magori-phd/

https://www.bu.edu/sargent/profile/malwina-maja-carrion-mph/

https://gizmodo.uol.com.br/do-que-morreremos-futuro/