Boicote ao Facebook

Você concorda ou discorda com a ação de boicote no Facebook? Curta o vídeo e assista até o final para entender.

https://youtu.be/OIhVi4l00Ac

Um movimento de boicote ao Facebook ganhou força nos últimos dias. Há meses, algumas empresas vinham cancelando campanhas publicitárias na rede social, mas a adesão de grandes marcas como Adidas, Coca-Cola, Heineken e Starbucks fez a iniciativa ganhar a atenção internacional.

Com ações coordenadas entre essas empresas que pausaram, suspenderam e cancelaram campanhas de publicidade no Facebook. O objetivo é boicotar o principal meio de faturamento da rede social como forma de pressão para acelerar as decisões sobre o alto volume de conteúdo com algum tipo de discurso de ódio que aparecem na rede.

A estimativa prevê que, anualmente, a empresa fature US$ 70 bilhões, o equivalente a cerca de R$ 373,3 bilhões, com a venda de publicidade. Inicialmente, as empresas anunciaram uma suspensão de pelo menos 30 dias na compra de anúncios. A pausa será válida durante o mês de julho.

As queixas tomaram força devido aos recentes protestos antirracistas que surgiram nos EUA e ganharam o mundo, mas vão além do racismo. Entre os temas críticos para o movimento estão também a negação do holocausto e o antissemitismo visto em postagens ligadas a grupos neonazistas, além do negacionismo das mudanças climáticas e notícias falsas em geral que circulam em perfis, páginas e grupos que defendem essas posturas na rede.

Entre as demandas de parte das empresas está um aumento na fiscalização por parte do Facebook, incluindo a contratação de executivos especializados. Além disso, pedem políticas mais estritas contra fake news e até a possibilidade de uma vítima de discurso de ódio iniciar chamadas de vídeo com um funcionário do Facebook. Verificam ainda a possibilidade de pedir devolução de dinheiro gasto com publicidade veiculada a conteúdos nocivos.

O site oficial da campanha é o stophateforprofit.org. O site é mantido pela ADL — Liga Antidifamação —, ONG centenária com sede nos Estados Unidos que combate o antissemitismo e outras formas de intolerância.

E você, apoia essa causa, acredita que ela fará a pressão necessária para mudar o Facebook? Deixe seu comentário.